< back to all O essencial da ciência da cor

Técnica de medição de amostras em Comunicação Digital a Cores

Datacolor Ebook: Fundamentos de Cor
Antes de qualquer amostra permanente ser medida e armazenada na base de dados informática ou comunicada digitalmente, deve ser estabelecida e observada uma técnica de medição repetível. As amostras devem ser sempre medidas várias vezes com a maior área de visão disponível no espectrofotómetro a ser utilizado desde que as amostras sejam suficientemente grandes para cobrir completamente a área de visão. Os espectrofotómetros vêm normalmente equipados com uma gama de tamanhos de abertura para permitir a medição tanto de amostras pequenas como grandes, embora seja sempre preferível utilizar o maior tamanho de abertura possível para minimizar a influência de tinturas não niveladas. Podem ser utilizados portos mais pequenos conforme necessário para medir até a mais pequena das amostras. As normas físicas devem ser preparadas com a intenção de utilizar a maior área de visão disponível no espectrofotómetro, a fim de melhorar a repetibilidade dos dados de cor digital. As amostras medidas com pequenas aberturas exigirão leituras adicionais para assegurar um erro mínimo de medição. Após estabelecer uma técnica de medição apropriada, os detalhes devem ser comunicados claramente a todos os envolvidos na medição de cores, não só internamente mas ao longo de toda a cadeia de fornecimento.


Espessura da amostra

Duas a quatro camadas serão suficientes para a maioria dos materiais tricotados e tecidos para se obter uma amostra opaca para apresentação ao instrumento. Se o material não for opaco, a luz passará através da amostra e reflectirá do material de suporte ou suporte da amostra e produzirá dados de reflectância enganosos. De quarenta amostras de teste de algodão-poplin medidas com quatro camadas e depois remensuradas com duas camadas para determinar efeitos de opacidade, a Tabela 1 lista as onze amostras que mostram uma diferença de cor superior a DE CMC (2:1) 0,15. Estas amostras devem portanto ser medidas utilizando quatro camadas, uma vez que os seus dados digitais serão influenciados pela cor do suporte da amostra ou do material de suporte. Como precaução e para eliminar o tempo e o esforço para realizar testes de opacidade, a maioria das amostras deve ser dobrada em quatro camadas, mesmo que possam ser opacas em duas camadas.

Amostra

DE CMC (2:1) D65/10
10 Vermelho 0.18
12 Laranja 0.18
13 Laranja claro 0.31
15 Castanho claro 0.19
16 Bege 0.31
17 Amarelo Médio 0.56
18 Amarelo Escuro 0.25
20 Casa da Moeda 0.21
24 Verde Claro 0.26
37 Cinzento Médio 0.17
40 Creme 1.07

Quadro 1. Diferença de cor para amostras não opacas

Materiais leves e translúcidos exigirão muitas vezes tantas camadas para se tornarem opacos que o material é forçado a entrar no interior do instrumento ao medir, produzindo uma medição de reflectância imprecisa. Para estes tipos de materiais, é possível obter resultados repetíveis medindo apenas algumas camadas de material com uma telha cerâmica branca semelhante à telha de calibração do instrumento. A porção da reflectância devido à cor do suporte será factorizada ao comparar duas amostras se o suporte for o mesmo para ambas.


Posicionamento da amostra

A rotação e reposicionamento de amostras reduzirá a variabilidade das medições devido à construção do tecido, direccionalidade dos fios, e tinturas não niveladas. Uma prática comum na medição de amostras é colocar a amostra no porto do instrumento e simplesmente rodar a amostra para quatro ou mais medições. Esta técnica permite uma medição rápida, mas não terá em conta as variações devidas ao tingimento em desnível e deve ser evitada. Uma técnica melhor é remover a amostra do instrumento e voltar a dobrá-la ou reposicioná-la antes de leituras adicionais. Deve-se ter sempre o cuidado de evitar quaisquer áreas da amostra que estejam contaminadas por sujidade, impressões digitais, vincos, manchas de tinta, ou outras substâncias.


Desenvolver uma técnica repetível

Foi estabelecida uma técnica de medição óptima quando uma amostra pode ser medida, retirada do instrumento, e depois remensurada com uma variação inferior a 0,15 DE CMC (2:1). Uma maior variação diminuirá o nível de confiança na qualidade dos dados armazenados e levará a previsões de correspondência menos precisas.

Uma técnica simples para determinar o número correcto de medições a fazer é produzir primeiro uma leitura média para uma amostra, medindo-a oito vezes – tendo a certeza de rodar e reposicionar a amostra após cada leitura – e guardando a média. Isto deve produzir a leitura mais repetida, mesmo que não seja prática para operações do dia-a-dia. Retirar a amostra e depois medi-la novamente utilizando a mesma técnica – oito leituras com rotação e reposicionamento. A diferença de cor entre estas duas médias deve ser muito baixa. Remover a amostra e depois medi-la novamente, mas desta vez usar apenas sete leituras com rotação e reposicionamento. Repetir o processo utilizando seis leituras, cinco leituras, quatro leituras, três leituras, e finalmente duas leituras. Depois de obter dados de diferença de cor entre cada teste e a amostra original medida oito vezes, identificar o ponto em que o DE CMC (2:1) excede o limite desejado de 0,15. Como exemplo, se o DE CMC (2:1) das quatro amostras lidas for 0,08 e o DE CMC (2:1) das três amostras lidas for 0,21, as amostras devem ser lidas quatro vezes para garantir uma variação inferior a 0,15 DE CMC (2:1). Quando o número correcto de leituras tiver sido determinado, medir a amostra pelo menos mais quatro vezes utilizando o número de leituras necessário para confirmar que todas as leituras são inferiores a 0,15 DE CMC (2:1). Se alguma das medições for superior a 0,15, a técnica deve ser alterada através da modificação da colocação da amostra ou da realização de leituras adicionais.


Avaliação da Repetibilidade da Medição

Medir uma amostra três ou mais vezes pode parecer demasiado demorado, mas o tempo necessário no início para assegurar medições precisas traduzir-se-á em diferenças de cor fiáveis ao comparar padrões e lotes e ao comunicar dados de cor digital. A velocidade de medição dos espectrofotómetros modernos reduzirá o tempo necessário para fazer leituras adicionais a apenas alguns segundos. As tabelas seguintes foram preparadas para fornecer informações sobre a variabilidade de medição típica que pode ser esperada ao efectuar múltiplas leituras de vários tipos de tecido.

Amostra

Variabilidade de Quatro Leituras Variabilidade de Duas Lidas
1 Vermelho Claro 0.08 0.12
2 Rosa 0.03 0.02
3 Vermelho Claro 0.03 0.10
4 Borgonha 0.07 0.05
5 Vermelho Brilhante 0.02 0.19
6 Vermelho Cereja 0.03 0.31
7 Melão 0.05 0.21
8 Lt Rose 0.03 0.13
9 Pêssego 0.03 0.05
10 Vermelho 0.04 0.42
11 Laranja Escura 0.04 0.09
12 Laranja 0.02 0.09
13 Laranja claro 0.02 0.16
14 Dark Brown 0.03 0.09
15 Castanho claro 0.04 0.11
16 Bege 0.02 0.06
17 Amarelo Médio 0.05 0.05
18 Amarelo Escuro 0.01 0.09
19 Tília 0.02 0.14
20 Casa da Moeda 0.01 0.12
21 Verde Escuro 0.03 0.14
22 Verde Médio 0.01 0.09
23 Cinzento Médio 0.07 0.11
24 Verde Claro 0.01 0.37
25 Jade 0.01 0.38
26 Azul Médio 0.01 0.05
27 Azul Médio 0.05 0.36
28 Azul Brilhante 0.01 0.10
29 Marinha Negra 0.05 0.17
30 Marinha 0.01 0.44
31 Azul Escuro 0.01 0.03
32 Maroon 0.02 0.81
33 Púrpura 0.01 0.11
34 Violeta Leve 0.02 0.18
35 Rosa 0.03 0.04
36 Fúcsia 0.05 0.02
37 Cinzento Médio 0.03 0.24
38 Preto 0.01 0.16
39 Tan 0.01 0.04
40 Creme 0.02 0.04
Média 0.03 0.16
Max 0.08 0.81
> 0.15 0 13

Quadro 2. Variabilidade de Medição para Técnicas de Quatro-Leitura e Duas-Leitura

A tabela 2 lista as diferenças de cor DE CMC (2:1) em D65/10 obtidas ao realizar medições repetidas usando tanto uma técnica de quatro medições como uma técnica de duas medições com uma abertura de visão de 30mm de área grande. As amostras foram dobradas em quatro camadas para assegurar a opacidade e foram reposicionadas e rodadas a 90° entre as medições. Treze das quarenta amostras de teste mostraram uma variabilidade superior a 0,15 DE CMC (2:1) ao utilizar a técnica das duas medições. A repetibilidade média para a técnica de quatro medições foi de 0,03 com um máximo de 0,08, enquanto que para a técnica de duas medições a média foi de 0,16 com um máximo de 0,81. Pode-se concluir destes resultados que os dados digitais a cores produzidos usando uma técnica de duas medições – mesmo quando se usa uma grande abertura – não são fiáveis.

No Quadro 3, as normas de vários tipos de tecido foram medidas usando uma abertura de 20mm designada MAV para vista de área média e uma abertura de 9mm designada SAV para vista de área pequena. A mesma amostra foi então remensurada utilizando quatro, três, e duas leituras e comparada com o padrão para produzir os valores DE CMC (2:1) listados. Todas as amostras excepto a bombazina foram medidas utilizando duas camadas com reposicionamento e rotação de 90° entre as medições. Os valores DE CMC (2:1) representam a diferença de cor máxima observada para várias medições repetidas dos vários materiais, embora também tenham sido observados valores mais baixos. As colunas com um traço (-) indicam que não foram realizados testes, uma vez que os resultados para o maior número de medições já eram inaceitáveis. Para cada um dos materiais testados, o número adequado de medições a utilizar deve produzir consistentemente uma variação de medição inferior a 0,15 DE CMC (2:1).

MAV: 20mm SAV: 9mm

Tipo de tecido 4 3 2 4 3 2
Tecido Twill, Tela, Crepe, Poplin 0.03 0.10 0.10 0.05 0.12 0.11
Cetim, Tafetá 0.07 0.07 0.09 0.11 0.12 0.20
Seersucker, Wafflecloth, Ribstop 0.09 0.10 0.13 0.07 0.10 0.18
Terry Escovado, Napped (sem pele) 0.04 0.07 0.07 0.14 0.17 0.23
Corduroy 0.13 0.31 0.64 0.55
Tricotar Interbloqueio, Piqué, Jersey 0.12 0.11 0.16 0.14 0.13 0.20
Térmica, Costela Estreita 0.05 0.12 0.13 0.07 0.18 0.24
Pointelle 0.17 0.20 0.23 0.60
Malha para pipocas, pregueada 0.03 0.07 0.07 0.04 0.27 0.20
Velo (lado escovado/nappido) 0.11 0.12 0.19 0.15 0.40 0.46
Chenille, Panne 0.08 0.11 0.12 0.56
Malha 0.03 0.07 0.12 0.14 0.21 0.35
Costela larga/Variegada 0.20 0.30 0.51 0.30 0.68

Quadro 3. Variabilidade de medição para vários tipos de tecido

A utilização de uma abertura maior tal como a vista de 30mm de grande área produzirá valores DE CMC (2:1) mais baixos, uma vez que a área de medição é significativamente aumentada. Os tamanhos de grandes aberturas só podem ser usados, contudo, quando se medem amostras grandes que cubram completamente a abertura da abertura ao usar duas ou mais camadas, embora uma camada possa fornecer resultados aceitáveis para materiais opacos.

A incapacidade de estabelecer uma técnica de medição repetível introduzirá um potencial significativo de erro em todos os aspectos do desenvolvimento da cor e da comunicação. Uma técnica de medição repetível inclui a especificação do número de camadas de material a utilizar, o posicionamento das amostras, o número de medições a efectuar, as configurações do instrumento e uma comunicação clara com os operadores do sistema. A incapacidade de testar e confirmar completamente a qualidade de uma técnica de medição será uma fonte de erro para a vida do programa. Embora as tabelas acima possam ser utilizadas como guia para o número de medições necessárias na maioria dos materiais para obter resultados repetíveis, recomenda-se que os utilizadores do sistema avaliem os seus próprios materiais específicos para confirmar o método de medição final estabelecido.

Para receber dicas, ferramentas e tendências da indústria da cor directamente na sua caixa de entrada, subscreva a nossa newsletter.


Sobre Ken Butts:

Ken Butts

Datacolor Ebook: Fundamentos de Cor

Dê vida às ideias com a gestão da cor

Quando os dados se encontram com a cor, a inspiração encontra os resultados.

This site is registered on wpml.org as a development site.