< back to all O essencial da ciência da cor

Fontes de luz e cor do retalho: 5 Coisas que precisa de saber

Datacolor Ebook: Fundamentos de Cor
Considere estes dois cenários:

  1. Um cliente encontra a camisola azul perfeita e compra um casaco a condizer. Mas quando regressam a casa e tiram a camisola e o casaco do saco, agora as cores parecem muito diferentes.
  2. As equipas de design e cor de uma empresa concordam na tonalidade perfeita de verde para a colecção da próxima estação. Mas quando essa colecção aparece nas lojas, algumas das peças parecem ser uma tonalidade de verde completamente diferente.

Em ambos os casos, a culpa pode ser da utilização de fontes de luz erradas quando as peças de vestuário estavam a ser desenvolvidas. Mas nem sempre é uma questão simples assegurar que todos utilizam a mesma iluminação para avaliar a cor, por isso um entendimento básico sobre a nomenclatura da iluminação é útil para qualquer pessoa encarregada de gerir a cor dos seus produtos.

Leia mais: Porque é que a Avaliação Visual da Cor é tão Subjectiva

Noções Básicas de Iluminação Parte 1: Compreender a temperatura da cor

Quando se trata de escolhas de iluminação, há muitas marcas e modelos diferentes por aí, mas há uma coisa que será consistente de uma marca de iluminação para a outra: a temperatura da cor.

A temperatura de cor (expressa em graus Kelvin, por exemplo 6500K) é uma forma conveniente de agrupar a iluminação em famílias de cor semelhantes. Quanto mais baixa for a temperatura da cor da fonte de luz, mais quente ou avermelhada será a fonte. Quanto mais alta for a temperatura da cor, mais frio ou mais azul será.

Uma nota importante: Há muito tempo que as fontes de luz fluorescente são utilizadas em ambientes de iluminação a retalho, e historicamente foram-lhes atribuídos nomes genéricos em vez de temperaturas de cor. Mas agora, às fontes de luz fluorescente é também atribuída uma temperatura de cor. Portanto, se precisar de ir pelo nome, abaixo estão as suas temperaturas de cor correspondentes:

  • CWF: 4150K
  • WWF: TL83, U30: 3000K
  • TL84: 4100K
  • TL835, SPX35, U35: 3500K

Fundamentos de Iluminação Parte 2: Fontes de Luz Definidas

Existe hoje uma gama de produtos de iluminação, e a maioria produz energia luminosa através de um dos seguintes métodos:

  1. Incandescente e Filamento de Tungsténio: Um filamento de tungsténio brilha quando a electricidade passa por ele. Isto costumava ser o que se encontrava na maioria dos lares. O lado negativo? Gera muito desperdício de energia, pelo que muitos foram descontinuados. Agora há cada vez mais fluorescentes e lâmpadas LED compactas nas casas. Também nesta categoria estão as lâmpadas de halogéneo de quartzo, que têm características especiais que lhes conferem um rendimento mais uniforme ao longo do tempo. São utilizados quando é necessária uma fonte amarelada a vermelha
  2. Fluorescente: Fontes de luz fluorescente produzem luz quando a energia eléctrica é aplicada a um tubo de vidro que contém mercúrio juntamente com compostos fluorescentes chamados “fosforescentes”. Ao ajustar os tipos de fosforos na lâmpada, os fabricantes de iluminação podem produzir tubos fluorescentes numa variedade de estilos e temperaturas de cor.
  3. LED: Os díodos emissores de luz (LED) têm sido utilizados em electrónica há mais de 50 anos, mas só com a introdução relativamente recente dos LED brancos é que se tornaram cada vez mais importantes na iluminação de retalho e de consumo. Os LEDs oferecem uma eficiência energética significativamente melhorada em comparação com outros tipos de iluminação e estão a tornar-se a fonte de luz de eleição para muitos ambientes retalhistas, de escritório e domésticos. Para assegurar uma experiência positiva do consumidor quando os produtos são vistos em iluminação LED, é essencial que a cor do produto seja desenvolvida e avaliada em condições comparáveis de visualização LED.
  4. Ultra-Violeta: A energia luminosa ultravioleta (UV) não é visível ao olho humano mas está presente na luz natural do dia. A energia UV é utilizada para excitar agentes branqueadores ópticos (OBAs) e corantes e pigmentos fluorescentes dentro de uma amostra, fazendo-os emitir luz visível. A luz “extra” visível faz com que os materiais brancos pareçam mais brancos e mais brilhantes do que seriam sem os OBAs, e as cores fluorescentes exibem o clássico efeito “néon”.

Explore todas as nossas soluções de iluminação

Agora que já cobrimos as bases, fique atento ao nosso próximo post onde falaremos sobre os principais intervenientes a envolver no processo, como construir um plano de implementação, e como tomar uma decisão final sobre a implementação.

Banner Datacolor contacte-nos

Dê vida às ideias com a gestão da cor

Quando os dados se encontram com a cor, a inspiração encontra os resultados.

This site is registered on wpml.org as a development site.